• home
  • sobre
  • contato
  • favoritos
  • 101 em 1001
  • 13 de maio de 2014

    Ela aprendeu a se amar...

        Quando eu era mais nova odiava tudo em mim. Meu sonho era me tornar umas dessas garotas cariocas de corpos perfeitos. Até hoje invejo, admito. As minhas amigas reclamavam de problemas com o peso, de como os bumbuns pareciam enormes e de como os seios pesavam e eu me sentia terrível com meu corpo que se recusa a absorver gordura, meus seios pequenos e meu nariz afilado. Eu era um porre. Vivia numa luta diária: ou odiava ou negava meu corpo. Lutei contra os cachos, contra a miopia, contra o vício em roer unhas (que nunca sumiu), contra os pés que teimavam em ficar gigantes. Sempre insatisfeita, eu odiava cada garota de cabelo impecável que aparecesse diante de mim. 
        Certa vez, dei uma de Gossip Girl e quase coloquei creme depilatório no shampoo de uma chata. Quase, graças a Deus. Até que, um dia, fui reclamar sobre isso, outra vez, com a minha mãe, estávamos no carro e eu disse, muito séria, que precisávamos conversar. Ela ficou assustada e perguntou do que se tratava, no ultimo segundo, antes de desabafar, mudei de tática e isso mudou meu modo de enxergar a vida. Simplesmente disse que precisava de um lápis de olho decente e que queria ficar loira. Até hoje minha mãe ri disso. Parece simples, mas quando você decide parar de reclamar de como as coisas vão mal e do quanto você não tem grana pra se vestir como queria e finalmente se toca que pode começar por baixo, aos poucos e ir se desenhando por fora pra refletir o que se é por dentro, é que as coisas mudam, de fato. Mas é preciso paciência.
        No início, eu era completamente descoordenada, mas fiz disso uma diversão. Me maquiava várias vezes ao dia, testando aquilo que ficava melhor no meu rosto. Também fiz uma geral no guarda roupa e selecionei peças que não me serviam mais e descobri nesse ritual um modo incrível de limpar até minha alma. As coisas mudaram mesmo. Ainda sou a mesma nerd de sempre, mas aprendi a tirar proveito do meu corpo magricela. E sabe que tem gente que até gosta? Haha. Eu cresci bastante com isso. Aprendi a ver beleza em todas as pessoas. Ficou impregnado na minha personalidade e, até hoje, só me envolvo com rapazes de beleza diferente. Sabe aquele baixinho que se acha “o” lindo? Eu também comecei a achar. Sabe o gordinho que valoriza seu estilo? Também aprendi a valorizar. E sabe aquela garota magrinha que estava tentando mudar?
        Pois é. Ela também aprendeu a se amar.
    - Retirado dos meus arquivos

    Sabe aquele texto em que você se identifica de uma maneira ou de outra? Então, tá aí. Me identifiquei demais com esse texto, sério. Para os créditos, clique aqui

    6 comentários:

    1. Todos nós temos uma beleza única e diferente. Acho que toda menina já passou por isso, né? Tem dias que nos achamos lindas e vamos dominar o mundo em outros dias nos achamos horríveis.
      Bju linda
      http://karinapinheiro.com.br/

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Isso aí, é quase sempre assim /: beijinhos ♥

        Excluir
    2. Umas das melhores coisas que tem na vida é se amar *u*

      Beijos,
      www.thalitamaia.com

      ResponderExcluir
    3. Que perfeito! Também me identifiquei uashuashaush
      Amei demais <3
      Beijos e fique com Deus!
      Batom de Framboesa e Fan Page

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Ah, que bom saber Giulia, haha Obrigada, beijinhos ♥

        Excluir

    © Quebrar o Silêncio - 2016 | Todos os direitos reservados.
    Desenvolvimento por: Fairy Dream Design | Tecnologia do Blogger.
    imagem-logo